28.6.11

ORIGEM DO CALENDÁRIO


ORIGEM: CALENDÁRIO, MESES E DIAS DA SEMANA
imag 1
  
Surgiram inicialmente para pequenos períodos de tempo (dias e semanas) e posteriormente para programar os plantios e colheitas, determinados pelas estações. Mas a determinação precisa dos dias de início de uma estação e fim da outra só era feita por sacerdotes muito experientes, que elaboraram os calendários que eram registros escritos dos dias onde eram marcadas datas de cheias, plantios e colheitas. Na antigüidade a comunicação entre os povos e principalmente entre os sacerdotes de cada nação era difícil. Além disso, cada rei queria impor sua autoridade e impunha o calendário que lhe era conveniente. Por essas razões muitos calendários foram criados. 
 
Os calendários principais eram:
Calendário Babilônico: o ano não tinha um numero de dias fixo. O ano era dividido em 12 meses lunares de 29 ou 30 dias cada o que somava 354 dias. Também faziam a divisão do mês em semanas de sete dias.
Calendário Egípcio: é um calendário baseado no movimento solar. O ano tinha 365 dias, divididos em 12 meses de 30 dias que somam 360 dias e mais 5 dias de festas depois da colheita.
Calendário Grego: baseado nos movimentos solares e lunares, seguindo um padrão parecido com o calendário babilônico, porém a intercalação do 13o mês era bem mais bagunçada.
Os índios americanos - Maias, Astecas e Incas  também tinham calendários baseados principalmente no mês lunar.

Hoje em dia temos basicamente três calendários em vigência no mundo: o calendário cristã que nós usamos e que conta os anos a partir do nascimento de Cristo, calendários muçulmano e israelita que não consideram o nascimento de Cristo e por isso apresentam anos diferentes do nosso. O calendário israelita é baseado no babilônico. Uma curiosidade é que o dia desse calendário como do muçulmano inicia-se com o por do Sol e não a 00h00min, o primeiro dia de cada ano novo não pode cair na quarta, sexta ou domingo, se isso acontecer o início do ano é transferido para o dia seguinte.


O calendário romano baseava-se no ciclo lunar e tinha 304 dias divididos em 10 meses -- seis com 30 dias e quatro com 31. Naquela época, a semana tinha oito dia. Foi Rómulo quem nomeou os primeiros quatro meses do calendário romano de:

Os meses seguintes foram simplesmente contados em latim:  
- quintilis 
- sextilis
- septembre 
- octobre
- novembre
- decembre

Como esse calendário não estava alinhado com as estações do ano, que duram cerca de 91 dias cada uma, por volta do ano 700 a.C., o rei Numa, que sucedeu Rómulo no trono, decidiu criar mais dois meses: janus e februarius. Embora as estações estejam ligadas ao ciclo solar, o novo calendário romano continuou a seguir o ciclo lunar, mas passou a ter 354 dias (seis meses de 30 dias e seis de 29).

Durante o império de Júlio César, por volta do ano 46 a.C., o calendário sofreu mais mudanças. Os senadores romanos mudaram o nome do mês quintilius para Julius, para homenagear o imperador. O calendário passou a orientar-se pelo ciclo solar, com 365 dias e 6 horas. O chamado calendário juliano foi uma tentativa de entrar em sintonia com as estações.

Foi criada uma rotina em que por três anos seguidos o calendário deveria ter 365 dias. No quarto ano, ele passaria a ter 366 dias, pois, após quatro anos, as 6 horas que sobravam do ciclo solar somavam 24 horas, isto é; mais um dia. Estava estabelecido o ano bissexto. Além dos meses alternados de 31 e 30 dias (excepto fevereiro, que tinha 29 dias ou 30 em anos bissextos), passou-se a considerar janeiro, e não março, o primeiro mês do ano.

Mais tarde, quando o mês sextilius passou a ser chamado de Augustus, decidiu-se que o mês em homenagem ao imperador Augusto não poderia ter menos dias que o mês dedicado a Júlio César. Um dia de februarius foi então transferido para Augustus -- por isso hoje o mês de fevereiro tem 28 dias (ou 29 em anos bissextos). Para evitar que houvesse três meses seguidos com 31 dias, o total de dias dos meses de septembre a decembre foi trocado: setembro e novembro ficaram com 30 dias, outubro e dezembro com 31.

NOMES DOS MESES, SIGNIFICADO:

Janeiro: O nome provém do latim Ianuarius, décimo-primeiro mês do calendário de Numa Pompílio, o qual era uma homenagem a Jano, deus da mitologia romana.
Fevereiro:  nome fevereiro vem do latim februarius, inspirado em Februus, deus da morte e da purificação na mitologia etrusca.
Março: O seu nome deriva do deus romano Marte
Abril:  O seu nome deriva do Latim Aprilis, que significa abrir, numa referência à germinação das culturas. Outra hipótese sugere que Abril seja derivado de Aprus, o nome etrusco de Vénus, deusa do amor e dapaixão.
Maio: O seu nome é derivado da deusa romana Bona Dea da fertilidade. Outras versões apontam que a origem se deve à deusa grega Maya, mãe de Hermes.
Junho:  O seu nome é derivado da deusa romana Juno, mulher do deus Júpiter.
Julho: Julho deve o seu nome ao imperador romano Júlio César, sendo antes chamado Quintilis em latim, dado que era o quinto mês do Calendário Romano, que começava em Março. Também recebeu esse nome por ser o mês em que César nasceu.
Agosto: É assim chamado por decreto em honra do imperador César Augusto, antes agosto era denominado Sextilis ou Sextil, visto que era o sexto mês no calendário de Rômulo/Rómulo (calendário romano).
Setembro: Deve o seu nome à palavra latina septem (sete), dado que era o sétimo mês do Calendário Romano, que começava em Março. Na Grécia Antiga, Setembro chamava-se Boedromion.
Outubro: Deve o seu nome à palavra latina octo (oito), dado que era o oitavo mês do calendário romano, que começava em março.
Novembro: Novembro deve o seu nome à palavra latina novem (nove), dado que era o nono mês do calendário romano.
Dezembro: Dezembro deve o seu nome à palavra latina decem (dez), dado que era o décimo mês do Calendário Romano.

ORIGENS DOS DIAS DA SEMANA:

 Existem dois motivos que fizeram os antigos agrupar sete dias para formar uma semana, um deles é baseado nas fases da lua. Se você observou as fases da lua irá perceber que entre o quarto crescente e a lua cheia passam-se sete dias. Outro motivo que deu origem a esse agrupamento de sete dias para formar a semana eram os astros visíveis no céu a olho nu. Na antigüidade podiam ser vistos sete astros no céu e que não eram estrelas; o Sol, a Lua, e cinco planetas: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Por isso muitos povos deram a cada dia da semana o nome de um desses astros. Em muitos idiomas esses nomes estão presentes até hoje, veja a tabela abaixo. 
  
 
Astros 
Espanhol
Italiano
Inglês
Português
Sol
Domingo
Domenica
Sunday
Domingo
Lua
Lunes
Lunedi
Monday
Segunda-feira
Marte
Martes
Martedi
Tuesday
Terça-feira
Mercúrio
Miercoles
Mercoledi
Wednesday
Quarta-feira
Júpiter
Jueves
Giovedi
Thursday
Quinta-feira
Vênus
Viernes
Venerdi
Friday
Sexta-feira
Saturno
Sabado
Sabato
Saturday
Sábado

Os dias da semana, têm seus nomes na língua portuguesa devido à liturgia católica e por iniciativa de Martinho de Dume, que denominava os dias da semana da Páscoa com dias santos em que não se deveria trabalhar, originando os nomes litúrgicos:
Prima Feria => Domingo 
Feria Secunda => Segunda-feira 
Feria Tertia => Terça-feira 
Feria Quarta => Quarta-feira 
Feria Quinta => Quinta-feira 
Feria Sexta => Sexta-feira 
Sabbatum => Sábado
Observe que o Sábado (Sabbatum em Latim) foi originado do hebreu shabbat, de conotação evidentemente religiosa. O imperador Flávio Constatino (280-337 d.C.) mudou o nome de Prima Feria para Dies Dominica, após sua conversão ao cristianismo. A expressão "feira" tem origem em "féria" que indica a remuneração pelo dia de trabalho. Ainda hoje no Brasil, "féria" é o dinheiro recebido por um comerciante pelas vendas efetuadas naquele dia. Em bom e antigo português a “féria” está relacionada com o dia de trabalho.
A origem dos nomes dos dias da semana



Quem nunca se perguntou por que os dias são chamados “segunda-feira”, “terça-feira”, ... ? Para explicar, temos que voltar a época do Império Romano, antes da conversão de Constantino (280-337) ao cristianismo.

Como é sabido, o Império Romano tinha várias divindades, mas de 30.000. Os principais deuses ligados aos astros tiveram dias em suas honras. Vejamos:

Solis dies (dia do Sol)
Lunae dies (dia da Lua)
Martis dies (dia de Mate)
Mercurii dies (dia de Mercúrio)
Jovis dies (dia de Júpiter)
Veneris dies (dia de Vênus)
Saturni dies (dia de Saturno)

Com a conversão do imperador Constantino ao cristianismo, e sendo a Páscoa vindo do Pessach (Páscoa judaica) no início manteve uma semana de feriado pascal. E, a cada dia da semana, foi dado feriae (feriado), ficando assim chamados:

Solis dies => Feria prima (primeiro feriado) => Dies Dominicas
Lunae dies => Feria secunda (segundo feriado)
Martis dies => Feria tertia (terceiro feriado)
Mercurii dies => Feria quarta (quarto feriado)
Jovis dies => Feria quinta (quinto feriado)
Veneris dies => Feria sexta (sexto feriado)
Saturni dies => Sabbatum

O primeiro dia passou a se chamar Dies Dominicas (dia do Senhor) porque teria sido nesse dia que Jesus teria ressuscitado. E o sétimo dia manteve do Antigo Testamento, Sabbatum que vem de Shabbat, do hebraico que significa parar, cessar.

Com a queda do Império, os povos bárbaros invadindo certos locais tomaram posse de alguns costumes e identificaram suas divindades com as da mitologia greco-romana. Apenas na região que é Portugal que mantiveram a nomenclatura de “Domingo, segunda-feira, terça-feira,...” Nas outras regiões, voltaram a adotar o nome das divindades, alguns com modificações.
Português Espanhol Saxão Inglês
Domingo Domingo Sun's day Sunday
Segunda-feira Lunes Moon's day Monday
Terça-feira Martes Tiw's day Tuesday
Quarta-feira Miércules Woden's day Wednesday
Quinta-feira Jueves Thor's day Thursday
Sexta-feira Viernes Friga's day Friday
Sábado Sabado Saterne's day Saturday

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro ler seu comentário! Beijos!

Eu sou Lúcia Martinelli

Minha foto

Eu sou Lúcia Martinelli, nasci em 28.06. Sou filha de Cândido Martinelli e Maria Grando, estudei em Passo Fundo RS, nas escolas Alfredo Pujol, Notre Dame, Joaquim Fagundes dos Reis e Cursei o 2º grau no Colégio Bom Conselho e o ensino superior na Universidade de Passo Fundo e fiz Pós –Graduação em Alfabetização Construtivista na UPF com o GEEMPA e conclui 1989. Hoje moro em Balneário Camboriú e estou fazendo todas as leituras que gostaria de ter feito e não tinha tempo para faze-las. Estou amando!

 

Trabalhei na Faculdade de Odontologia da UPF e fui secretária e auxiliar odontológico.

Exerci a função do magistério na rede particular de ensino, no Colégio Notre Dame por onde me aposentei e na rede municipal nas escolas Vidal Colussi, Fundação Educacional do Menor, UPF em Assessoramento Construtivista, Notre Dame Municipal e Antonino Xavier, onde me aposentei. Aleluia!!!

Trabalhei em turmas pela ordem dos acontecimentos: multiseriada (de pré a 4ª série) todos na mesma sala, Jardim, Pré, 1ª série, 2ª série, 2º ano, 3ª série, 4ª série, 5ª série e 1º ano do 2º grau.

Sou professora por opção porque adoro o ato de ensinar e aprender, o convivio com as crianças sentir a mundança e o crescimento acontecendo no dia a dia, ser o elo mediador entre aluno e conhecimento desafiando e apoiando para que o processo de aprendizagem aconteça o mais rápido possível. A experiência da alfabetização é algo indiscritível, só experimentando para saber a delicia da magia que é “o ver acontecer”.

 

A educação é um processo contínuo que toma o homem sobre sua responsabilidade desde a infância até a morte.

PROFESSORA LUCIA MARTINELLI

PROFESSORA LUCIA MARTINELLI
ATIVIDADES E PROJETOS